ouça as rádios cultura FM 93 FM
facebook instagram twitter youtube

Suspensos serviços de conservação contratados pelo DER com sobrepreço

Conselheiro concedeu medida cautelar em razão de Comunicação de Irregularidade da 4ª Inspetoria de Controle do TCE-PR, na qual foram apontados aditivos que oneraram os contratos em até de 314%.

30/06/2018

O Tribunal de Contas do Estado do Paraná (TCE-PR) emitiu medida cautelar determinando que o Departamento de Estradas de Rodagem do Estado do Paraná (DER-PR) suspenda imediatamente a realização de serviços do Programa de Conservação do Pavimento contratados por valores superiores àqueles estipulados no contrato original, durante o período de vigência dos aditivos dos contratos números 156/2012, 164/2012 e 200/2012.

Os conselheiros determinaram, ainda, que o DER-PR adeque os seus procedimentos às normas licitatórias e, em todos os seus atos administrativos contratuais, abstenha-se de formalizar aditivos nos contratos sem o adequado planejamento; de realizar aditivos contratuais com valores quantitativos superiores aos limites legais, previstos no artigo 65 da Lei 8.666/93 (Lei de Licitações e Contratos); e de utilizar recursos de quantitativos remanescentes de períodos diversos do previsto no contrato executado.

A cautelar foi concedida pelo conselheiro Nestor Baptista em 20 de junho; e homologada na sessão do Tribunal Pleno realizada nesta quinta-feira (28 de junho).

O pedido de medida cautelar consta na Comunicação de Irregularidade encaminhada pela Quarta Inspetoria de Controle Externo (4ª ICE) em face do DER-PR, por meio da qual a unidade de fiscalização noticiou irregularidades constatadas na fiscalização de contratos firmados pelo DER-PR para execução do Programa de Conservação do Pavimento.

Comunicação de Irregularidade

Os analistas de controle da 4ª ICE analisaram, por amostragem, os contratos números 156/2012, 164/2012 e 200/2012, que têm por objeto a execução de serviços de conservação rodoviária de pavimentos, nos quais foram constatadas graves irregularidades. Segundo a Inspetoria, as prorrogações dos contratos analisados ocorreram sem planejamento, sem as justificativas necessárias, com erros gritantes em relação aos quantitativos de cada item contratado e com estimativa de serviços completamente destoante da realidade.

De acordo com a equipe de fiscalização, houve execução contratual em quantitativos diferentes do pactuado, com acréscimo de prestação de serviços em percentual superior a 25%, sem formalização de aditivo contratual. Além disso, houve prestação e pagamento de serviços em volume superior ao contratado, com utilização de quantitativos remanescentes de período diverso do estipulado em contrato.  

 

Contratos e sobrepreço

O gestor responsável pelos contratos analisados era Nelson Leal Júnior, diretor-geral do DER-PR à época dos fatos. O contrato nº 156/2012 se refere à Superintendência Regional Noroeste do DER-PR – região de Maringá – e tinha como valor inicial R$ 14.382.413,11. O valor final, após os aditivos contratuais, chegou a R$ 33.344.023,88, resultando em uma diferença de R$ 18.961.610,77.

O contrato nº 164/2012 se refere à Superintendência Regional Oeste do DER-PR – região de Cascavel – e tinha como valor inicial R$ 19.734.668,81. O valor final, após os aditivos contratuais, alcançou R$ 50.164.100,17, resultando em uma diferença de R$ 19.734.668,81.

O contrato nº 200/2012 se refere à Superintendência Regional Norte do DER-PR – região de Londrina – e tinha como valor inicial R$ 12.894.992,05. O valor final, após os aditivos contratuais, atingiu R$ 36.232.161,67, resultando em uma diferença de R$ 23.337.169,62.

As empresas beneficiadas pelos aditivos contratuais que, somados, resultaram em uma diferença de R$ 62.033.449,20 em relação aos valores originalmente contratados foram: Asphalt Pavimentação Asfáltica Ltda., Dalba Engenharia de Empreendimentos Ltda. e o Consórcio Evento-compasa, formado pelas empresas Evento Construtora de Obras Ltda. e Compasa do Brasil Distribuidora de Derivados de Petróleo Ltda.

A 4ª ICE apontou, ainda, a execução de serviços sem cobertura contratual nos valores de R$ 7.830.401,72 em relação ao contrato nº 156/2012; de 4.974.092,16, ao contrato nº 164/2012; e de R$ 6.273.379,41, ao contrato nº 200/2012, totalizando R$ 19.077.873,29.

 

Decisão

O conselheiro do TCE-PR afirmou que estão presentes no processo os requisitos para a concessão da medida cautelar, pois as “irregularidades apontadas pela unidade de fiscalização foram fundamentadas de maneira notável”. Baptista destacou que o DER-PR contratou e prorrogou os contratos do Programa de Conservação do Pavimento sem uma análise detida dos serviços a serem executados, sem um planejamento mínimo e com justificativas apenas em relação ao aspecto formal, superficiais e elaboradas de modo padronizado, sem prévia análise das condições da rodovia.

O relator ressaltou que os quantitativos e serviços foram repetidos automaticamente nos aditivos, mesmo que no período anterior tenham sido demandados em maior ou menor quantidade; e que a discrepância em alguns itens chega a percentuais absurdos, como 242%, 280% e 314%, em violação ao limite legal de 25% para acréscimos. Ele também afirmou que houve alterações contratuais nos aditivos, com supressão de alguns serviços.

O conselheiro frisou, ainda, que não foram violados apenas os princípios da legalidade e da eficiência administrativa, mas a própria finalidade da licitação. Isso porque, para se escolher a melhor proposta, é preciso que se saiba exatamente o que e quanto se está contratando; e o erro na quantificação de itens resulta em problemas como ausência de interessados; influência na composição da planilha de preços, dos detalhamentos dos encargos sociais; e inserção de requisitos técnicos desarrozoados, em prejuízo à concorrência.

Baptista concluiu que o procedimento padrão do DER-PR nos contratos analisados foi a utilização de valores não usados em um item contratado para a execução de outros itens que excederam o previsto, em períodos diversos, em uma espécie de remanejamento orçamentário dentro do contrato. Ele lembrou que a utilização dos saldos orçamentários em período posterior viola as normas de contabilidade pública.

Finalmente, o relator afirmou que houve benefício indevido às empresas contratadas, já que foi permitida a execução de serviços muito superiores ao licitado, com lucros maiores do que os previstos; e que os acréscimos expressivos nos quantitativos demandados ensejariam a realização de nova licitação. Ele destacou que se observa vícios graves na conduta do gestor, como o consentimento com a ilegalidade, imperícia e desídia; e que violações à Lei 8.666/93, à Lei Complementar nº 101/2000 (Lei de Responsabilidade Fiscal) e a princípios constitucionais, especialmente a legalidade e eficiência.

No despacho em que determinou e expedição da medida cautelar, o conselheiro afirmou que “a manutenção da execução dos aditivos contratos ensejará a perpetuação das irregularidades apontadas, inexistindo benefício à sociedade na execução de serviços irregulares” e que “a suspensão apenas dos serviços acrescidos de maneira irregular permitirá a manutenção do programa de conservação de rodovias, evitando um dano consistente no abandono das rodovias estaduais e a depreciação do pavimento por falta de manutenção.”

O Tribunal determinou a citação dos interessados no processo para a ciência e imediato cumprimento da medida cautelar; e para apresentar defesa no prazo de 15 dias.

Comentários




acompanhe a central cultura no facebook

Basta clicar no botão Acompanhar logo abaixo.

Fechar