ouça as rádios cultura FM 93 FM
facebook instagram twitter youtube

Gilberto Gil lança álbum com mensagem pelo amor e contra intelorância

14/08/2018

Existe uma plenitude no olhar de Gilberto Gil, de quem passou por uma tempestade e saiu ileso. Mas Gil não fez essa travessia sozinho. Ao seu lado, estavam família, velhos amigos, novos amigos. Em 2016, o músico fez tratamento para insuficiência renal. Veio, então, a apreensão. E criou-se uma rede de amor ao seu redor, que ele, como compositor, captou e transformou em música. Nesse período de tratamento e recuperação, compôs de quatro a cinco músicas. A elas uniram-se outras canções inéditas e, juntas, deram origem ao seu novo disco, Ok ok ok, já disponível em vinil, CD e no Apple Music. A partir de sexta (17), estará em todas as plataformas digitais.

É o disco mais afetivo de sua carreira. “Sem dúvida”, concorda o músico, aos 76 anos, em entrevista sobre o lançamento. “É (o trabalho) mais explicitamente afetivo, porque tive de trazer a afetividade para as denominações familiares: filhos, netos, bisneta.” Explica-se. Nesse universo de acolhimento que Gil recriou em Ok ok ok, há uma coleção de músicas dedicadas a personagens específicos desse seu círculo de vivência – e convivência. Canções à sua mulher, Flora (Na real e Prece); às novas musas Maria Ribeiro e Andréia Sadi (Lia e Deia), ao amigo e violonista Yamandu Costa (Yamandu, com o homenageado tocando na faixa). Para seus médicos, Roberta Saretta e Roberto Kalil, fez, respectivamente, Quatro pedacinhos e Kalil (esta, como uma das faixas-bônus). Na primeira composição, Gil transformou em poesia a biópsia ao qual seu coração foi submetido; na segunda, fez um tributo ao Dr. Kalil numa roupagem quase naïf.

Nas referências às novas gerações, a sensação é de celebração aos entes que vão dar continuidade à família e, por tabela, à linhagem Gil. Sua bisneta é tema de Sol de Maria. Para os netos, fez Sereno (a primeira parceria dele com o filho Bem Gil, produtor do disco) e Tartaruguê (esta em homenagem a Dom). “Para ele, praticamente só existiam as Tartarugas Ninjas, além do pai, da mãe (risos). Aí fiz a música para ele. Tartaruguê quer dizer o quê? Não quer dizer nada, é um balbuciar infantil sobre alguma coisa”, diverte-se Gil.

(Fonte: Uai)

Comentários




acompanhe a central cultura no facebook

Basta clicar no botão Acompanhar logo abaixo.

Fechar